08 novembro 2009

arrolho

os olhos como vertentes
dão voz a minha dor calada
a lágrima silenciosa
rompe o silêncio da madrugada...