22 abril 2011

cruz

os dedos em persignação  
tocam a fronte e o peito
em gesto perfeito


na rua
o humano prostrado
depois terra nua
engolido pela angústia crua


pode ser fome
sede, desprezo ou droga
não tem nome
nem igreja, nem sinagoga


tem cor, tem sujeira e dor
nunca foi visto, nem quisto
os colegas de cheiro
o chamam de cristo...