10 julho 2012

devaneio

há sempre uma desculpa
nos lábios enganadores 
e a culpa feito dedo em riste
no coração triste
mentiras tornadas verdades
e na face a ruga afunda a idade
na garganta a sobra, o sobejo ou pigarro da perda
o tempo escrito em pedra rústica
água mole, vento duro
e a carne viva pulsa na parte esquerda
o soluço é acústica 
música sem nome...