11 novembro 2013

testamento

se um dia eu fizer um testamento
para ser conhecido
pós aquele dia em que a terra calar a minha boca
deixarei escrito:
havendo lágrima, seja corrente,
quente e vinda do profundo da alma
havendo choro, seja contido
havendo palavras, sejam sinceras e, se possível, silenciosas
mas não escreverei nada, viu!?
que o amor seja sempre antes
e expresso nos instantes comuns
sem pompas,
nem circunstâncias, natural!
é assim que a vida pede todo dia...