22 junho 2012

imbróglio

abriu as janelas da alma
coisa rara, muito rara
sentia-se lama
uma espécie de Geni
pecadora pública
sem direito a absolvição
qual personagem de Kafka 
em labirinto, confusão
embora envolta no manto da justiça
internamente a mancha remexia
lá no escondido, onde só quem sente vê
então oscilava
ora presença, ora ausência de sentido...